Tecnologia Hoteleira de 2020: Como será o hotel do futuro?

  Publicado a em Tecnologia

Tecnologia Hoteleira de 2020: Como será o hotel do futuro?

Depois de um longo voo, um viajante cansado desce do avião. Um localizador detecta-o e passa o sinal da sua chegada ao seu Uber que está à espera para levá-lo ao hotel. O seu TripIt já tem o itinerário e os detalhes dos vários locais classificados no seu dispositivo.

O Uber leva-o ao hotel evitando o tráfego ao usar o Waze. Ele faz o check-in do seu quarto pelo seu smartphone, entra no elevador, abre a aplicação móvel do hotel e pede uma bebida e uma refeição.

Ao chegar no seu andar, abre a porta do quarto com o telefone, verifica os seus e-mails na televisão que também tem os seus canais favoritos e a sua conta do Facebook habilitada com funções de localização e «selfies» pronta para registar a sua estadia no hotel.

Ele percebe que a sua camisa para a reunião do dia seguinte estava amarrotada, então chama um robô para passá-la a ferro, antes de voltar ao saguão para trabalhar em notas de reunião de última hora.

Este não é o início de um filme futurista de ficção científica.

Estes são todos os recursos que começam a aparecer em hotéis que têm perspetiva visionária ao redor do mundo, graças à tecnologia hoteleira.

Então, com o ritmo das inovações tecnológicas em constante expansão, o que podemos esperar dos hotéis do futuro?

O fim do check-in do hotel como o conhecemos?

Comecemos pelo início…

Enquanto os hotéis existirem, o check-in no balcão será o rosto e o coração de um estabelecimento. A receção é a própria definição do que é a hospitalidade.

É o primeiro porto de escala para os hóspedes, e a fonte de todos os conhecimentos baseados no hotel. Mesmo o aumento das reservas on-line e da tecnologia hoteleira inteligente teve um impacto relativamente mínimo na receção.

Mas tudo isso começa a mudar.

Um dos primeiros adeptos foi o Jannah Hotels and Resorts em Dubai. A propriedade de cinco estrelas do Médio Oriente tem como objetivo eliminar filas no saguão, permitindo que os clientes façam o check-in simplesmente ao pressionar alguns botões num tablet e ao fornecer-lhes um código QR, que liga a um vídeo explicando qualquer coisa que o cliente precise de saber.

O serviço, que eles chamam de Karim, também executa outras funções de «check-in da receção», como despertar o hóspede ou ajudá-lo com pesquisas de aluguer de carros.

Enquanto muitos ainda preferem o toque humano, o sucesso dos quiosques de autoatendimento nos supermercados sugere que a conveniência e a velocidade talvez possam estar a vencer.

Uma vantagem adicional de abandonar a receção seria abrir mais espaço para outros empreendimentos e áreas para hóspedes colaborarem e encontrarem entretenimento.

Os hotéis são mais do que apenas um lugar para se alojar

Os hoteleiros podem estar inclinados a usar qualquer espaço recém-aberto pelo que já foi um balcão de receção de check-in para expandir as áreas do bar ou de lazer. Mas, e se o balcão de receção de check-in for substituído por… mais balcões?

Fechando a lacuna entre hotéis e albergues

E não é apenas no âmbito do emprego onde as expectativas da sociedade estão a mudar.

Cada vez mais os viajantes estão a tornar-se mais específicos nas suas exigências. A City Hub, uma marca hoteleira lançada em Amesterdão no ano passado, está a tentar fechar a lacuna no mercado entre hotéis e albergues.

A City Hub maximiza o espaço ao usar cubos pré-fabricados que podem ser encaixados em qualquer posição no seu prédio, empregando casas de banho partilhadas e oferecendo apenas um tamanho único para os seus quartos (para uma ou duas pessoas).

Isto dá-lhes o alcance de uma maior escalabilidade e significa que podem oferecer privacidade e baixo custo ao mesmo tempo, atingindo uma lacuna no mercado para viajantes conscientes dos seus gastos que não gostam do aspeto comunal dos albergues.

Quartos específicos para hóspedes específicos

Quando reservamos feriados, reservamos um assento específico num avião ou num comboio, um horário específico para fazer atividades ou uma mesa específica num restaurante. Então, porque não um quarto específico num hotel?

Bem, de acordo com o Hotel Schani na Áustria, não há absolutamente nenhum motivo para não o fazer.

Quando se reserva um quarto nesse hotel, pode-se escolher em qual andar ficar, qual o tamanho do quarto, a vista e muitas outras variáveis.

Após a reserva, obtém-se um número de quarto para que se possa ignorar o balcão do check-in e entrar no quarto atribuído usando a aplicação do hotel.

Ainda é cedo para afirmar, mas o hotel parece estar a caminho de alcançar o objetivo de uma experiência hoteleira mais eficiente para os utilizadores, ao permitir que a equipa crie uma experiência mais personalizada para os clientes porque têm menos deveres de rececionista e mais tempo para se preparar para as necessidades do cliente.
Esperam que essa experiência personalizada aumente a recorrência nas reservas e nos negócios.

Os hóspedes agora podem utilizar um óculos de realidade virtual (VR) para que possam escolher o quarto ou visualizar e gerir melhor as suas expectativas. Um bom exemplo é o de usar a realidade virtual para que os hóspedes vejam o que podem obter por 50 US$ a mais por noite.

O que mais podemos esperar da tecnologia hoteleira no futuro?

A tecnologia hoteleira, e o seu uso na indústria de viagens, está a desenvolver-se tão rapidamente que as previsões podem ser um jogo perigoso. Já podemos ver mordomos-robôs, espelhos inteligentes e pagamentos móveis em ação em vários hotéis ao redor do mundo.

O IoT (Internet das Coisas) e o IoE (Internet de Tudo) habilitarão mais decisões e ferramentas orientadas por dados para suportar a experiência do viajante conectado. A tecnologia hoteleira emergente, como a realidade virtual, impressão em 3D e vestível, poderia ser utilizada em hotéis.

A entrega de alimentos, produtos, serviços e até mesmo a exibição de opções de quarto ou assentos, como ilustrado anteriormente, são formas de fazer o hóspede e os hoteleiros entenderem melhor as necessidades uns dos outros e atender às necessidades da nova economia de utilizadores.

Talvez nos próximos anos, possamos saltar de bungee jump virtualmente, sentados na cama enquanto medimos quantas calorias queimamos na nossa camiseta antes de imprimir um novo par de sapatos para passear pela cidade.

Seja lá o que for acontecer, será emocionante fazer parte dessas mudanças.

Thanks for sharing

Sign up to our blog and receive regular updates on the content you're into

Send this to a friend